LIVRARIA CULTURA

sábado, 22 de março de 2008

Caça ao Tesouro (Páscoa)

Foi realizado na EE Professor José Benedito Gonçalves na cidade de Salto/Sp durante a Semana da Páscoa, o “III Caça ao Tesouro”. Esta atividade dura em torno de 1 hora e 20 minutos e pode ser realizado em outras datas comemorativas. Para ser realizada a atividade “Caça ao Tesouro” foram usadas 4 classes por vez, divididas em 4 equipes,(ex: 4(quatro) turmas da 4ª série, misturando os alunos para evitar rivalidade entre classes). Esse foi um dia atípico, portanto os professores acompanharam os grupos durante as atividades. (É aconselhável explicar aos professores no HTPC.)
MODO DE EXECUÇÃO: A 1ª pista é entregue ao professor responsável pela equipe e as demais pistas são escondidos dentro de envelopes em diversos locais da escola (7 pistas). Os alunos são divididos na quadra ou pátio da escola em 04 equipes (o nome das equipes este ano foram os 04 elementos da natureza: água, terra, fogo e ar). Cada equipe com uma professora responsável, sendo que cada vez que uma pista era encontrada, a professora responsável avisava aos alunos o local da próxima pista, mas antes tinham que cumprir uma tarefa. Assim que a tarefa fosse cumprida, eram escolhidos dois alunos do grupo para procurar a próxima pista e assim sucessivamente. A atividade termina quando todos os grupos terminarem as atividades e o professor de Educação Física realizar uma dinâmica de encerramento para mostrar aos alunos o verdadeiro significado da Páscoa. Ao final, os alunos, um de cada classe tinha que buscar o tesouro, que no caso foi 'uma barra de chocolate para cada aluno participante.(quem tiver interessado(a) no projeto em detalhes é só deixar o e-mail nos comentários.
ALGUMAS ATIVIDADES DO III CAÇA AO TESOURO: responder 10 questões de conhecimentos gerais, responder 10 questões de matemática, estourar bexigas com o ar do pulmão(foto), encestar com uma bexiga(basquete-foto), dar cambalhota no colchão, fazer uma frase sobre a Páscoa com letras plásticas(foto), acertar o tubo da caneta dentro da garrafa(foto). Etc.

quarta-feira, 12 de março de 2008

Atividades Recreativas e Educativas - ciclo I

Apresento o projeto “Aprender Com Prazer” nº 2(ciclo I), com mais 15 atividades recreativas. Todas as atividades são experiência adquiridas nas Diretorias de Ensino de Presidente Prudente, Tupã e Itu e foram realizadas na EE Professor José Benedito Gonçalves na cidade de Salto/Sp com alunos de 1ª à 4ª séries.
Obs: todas as fotos foram autorizadas somente para esse blog.
Através da recreação, podemos observar uma séries de progressos na conduta e socialização da criança, no seu pensamento se transformando, profundamente, com o ingresso pleno no plano das operações racionais concretas e, a afetividade, a vontade e os sentimentos morais se modificando...

01-GATO DOENTE
Material: nenhum
Formação inicial: alunos espalhados pela quadra em espaço delimitado pelo professor.
Fazendo a atividade: Será escolhido um aluno que será o pegador, sendo que este perseguirá os demais alunos e quando este for pego, deverá colocar a mão no local onde foi pego. ex: se o aluno for tocado na cabeça, este deve colocar uma mão na cabeça e com a outra mão deverá tocar outro aluno ajudando o primeiro pegador na perseguição aos demais, e desta forma tentar pegar outros alunos. Termina a atividade quando todos os alunos se tornarem gatos doentes.
Reflexão: foram trabalhadas várias partes do corpo? Quais?
Qual a importância da ajuda dos outros alunos para a realização da atividade?
A cooperação é importante?
Registro do aluno: divididos em grupos, fazer cartazes com todas as partes do corpo que foram tocadas durante a atividade.

02-TROMBA DE ELEFANTE
Material: nenhum
Formação inicial: alunos espalhados em um determinado local da quadra, sendo que será escolhido um aluno que será o pegador. Este aluno escolhido deve colocar uma das mãos no nariz, e passar a outra mão esticada por entre o braço que esta segurando o nariz, formando assim uma tromba de elefante.
Fazendo a atividade: após o sinal do professor, o aluno sai em perseguição aos demais sem desfazer da tromba de elefante. Quando conseguir pegar alguém, este aluno deve formar uma tromba de elefante e ajudar o primeiro aluno a perseguir os demais. Termina a atividade, quando todos os alunos se tornarem elefantes.

03-EXPULSAR DO BAMBOLÊ
Material: Bambolê ou giz
Formação Inicial: alunos divididos em duplas, separados por sexo e tamanho, sendo que cada dupla deve ficar com um bambolê ou na falta do bambolê deve-se fazer um círculo no chão com giz.
Fazendo a Atividade: O professor explica a atividade, dizendo que é uma atividade de força e equilíbrio. Logo após pede para que cada aluno se posicione em pé dentro do bambolê ou circulo de giz, de forma que o aluno ‘A’, fique com a parte interna do pé direito encostado na parte interna do pé esquerdo do aluno ‘B’. A mão esquerda de cada um deve ficar para trás e a mão direita do aluno ‘A’ deve estar segurando a mão direita do aluno ‘B’.
O aluno ‘A’ e ‘B’ tentam colocar para fora do circulo o colega, usando somente a força, o equilíbrio e a mão direita. Essa atividade pode ser feita por tempo ou por pontos.
Reflexão: qual a importância da agilidade e da força para execução da atividade e como nós usamos a força e o equilíbrio no nosso dia a dia.

04-COELHINHO SAI DA TOCA
Material: Nenhum
Formação inicial: alunos espalhados em um determinado local da quadra em grupos de três alunos, sendo que dois alunos ficam um de frente para o outro e de mãos dadas e erguidas formando uma toca, e o outro aluno fica no meio, sendo considerado o coelhinho. Um ou dois alunos ficam de fora, e são considerados os coelhinhos sem toca.
Fazendo a atividade: Toda vez que o professor disser ‘COELHINHO SAI DA TOCA’, todos os coelhinhos, inclusive os sem tocas deverão sair e entrar em outra toca. Depois de 10 repetições, o professor troca uma das tocas pelo coelho e assim sucessivamente até que todos tenham sido coelhinhos.
Variação: No lugar de tocas feitas pelos alunos, o professor pode colocar bambolês como tocas, ou círculos feitos com giz.

05- PONTINHOS
Material: Giz colorido e Lousa
Formação Inicial: dentro da sala de aula, alunos divididos em equipes ou colunas, sendo que cada coluna será uma letra. Fazendo a atividade: o professor coloca vários pontinhos na lousa, e explica aos alunos a atividade, que consiste que cada coluna, sendo um aluno de cada vez e intercalando as colunas, preencha o maior número de quadrados possíveis e dentro deste quadrado coloque a letra correspondente a sua coluna.
Refletir sobre a atividade: raciocínio, atenção, concentração, memorização...
Pontinho – ideal para dias de chuva

06-PASSAR A BOLA E SENTAR
Material: 2 cadeiras e duas bolas
Formação inicial: alunos divididos em duas equipes, ‘A’ e’B’
Fazendo a atividade: duas equipes divididas numa das extremidades da quadra, sendo o primeiro aluno de cada fileira com uma bola na mão. A uns 20 metros, bem à frente de cada equipe é colocada uma cadeira e nesta cadeira fica sentado um aluno de suas respectivas equipes. Desenvolvimento: Ao sinal do professor, o aluno nº 01 de cada equipe, corre com a bola na mão, dá a volta na cadeira e entrega a bola para o aluno que está sentado, ficando sentado no seu lugar enquanto o aluno que estava sentado, corre com a bola em direção a sua fileira entregando a bola para o próximo aluno da fila. Termina a atividade quando todos participarem da atividade.

07-PULA-PULA CANGURU
Material: 2 cones e duas bolas
Formação inicial: alunos divididos em dois grupos, ‘A’ e ‘B’ em uma das extremidades da quadra, ficando na frente de cada equipe, a uns 10 metros de distância um cone. O primeiro aluno da fileira fica com uma bola.
Fazendo a atividade: Ao sinal do professor, o primeiro aluno de cada fileira, prende a bola entre os joelhos e sem usar as mãos para segurar a bola, sai pulando, dando a volta no cone e retornando até sua equipe passando a bola para o segundo da fileira, e assim sucessivamente até que todos façam o percurso. Caso a bola escape dos joelhos do aluno, este deve voltar no lugar onde a bola caiu e dar continuidade na atividade.

08-JUDÔ ADAPTADO
Material: 1colchão ou tatame
Formação inicial: duas equipes feminina e duas masculina em formação de duplas de acordo com o tamanho. A dupla deve ficar na posição ajoelhados e uma de frente para outra e de mãos dadas no centro do colchão ou tatame.
Fazendo a atividade: o professor explica as regras do judô original e explica que se trata de um judô adaptado. Após a explicação do professor. É dado o sinal para o início da disputa, sendo que o objetivo dos alunos é fazer com que o outro tire os joelhos do chão, coloque as mãos no chão ou encoste o corpo no colchão. Se isso ocorrer termina a atividade. Após o final da disputa, os alunos devem se cumprimentar da mesma forma que os judocas se cumprimentam.

09-SÉRIO, RISO E CHORO
Material: nenhum
Formação inicial: alunos sentados na frente do professor.
Fazendo a atividade: o professor explica a atividade, dizendo que quando o professor colocar as mãos na cabeça, todos os alunos deverão dar ‘RISADAS’, quando colocar as mãos na cintura, todos deverão ‘CHORAR’ e quando colocar as mãos no ombro, todos deverão ficar ‘SÉRIOS’. O professor deve alternar a voz de comando de sério, riso e choro para testar os reflexos dos alunos.
atividade adequada para volta a calma.

10-PEGA-PEGA AMERICANO
UNIDADE TEMÁTICA: Conhecendo o movimento
CONCEITO: Velocidade
ENFOQUE DO CONCEITO: A velocidade é a capacidade física que nos permite a execução rápida de movimentos.
PROBLEMATIZAÇÃO: Alguém sabe me dizer o que é velocidade?
MATERIAL NECESSÁRIO: Nenhum
FORMAÇÃO INICIAL: Alunos espalhados pela quadra e um pegador.
DESENVOLVIMENTO: Os alunos espalhados pela quadra, um aluno é escolhido para ser o pegador. Quando esse aluno pegar outro ele deve ficar parado de pernas abertas e será salvo quando outro aluno passar por baixo de sua perna. Assim que este aluno for pego pela 3ª vez, ele tem que ajudar o pegador inicial e também passará ser pegador. A atividade continua até sobrar um aluno.
REFLEXÃO:
Quais foram os movimentos utilizados nessa atividade?
Qual à parte do nosso corpo que utilizamos para nos locomover.
O que foi preciso para você conseguir pegar o seu colega?
DESTAQUES:
É preciso estar atento, ser rápido e fugir do seu pegador.
Adquirir habilidades motoras para que possam locomover de um lado para o outro.
Conscientizar o aluno a capacidade de mover o corpo ou parte dele com rapidez.
REGISTROS:
DO ALUNO: Formar uma frase que envolva velocidade. Recortes de revistas, figuras que simbolizem velocidade.
DO PROFESSOR: Observar se houve aproximação da atividade com enfoque do conceito.

11 - ALVO HUMANO
Material: Bambolês.
Formação inicial: Dividir os alunos em 4 grupos. Cada grupo formará uma coluna, que terá um aluno destacado (o alvo) de frente a aproximadamente 2 metros de distância da sua respectiva coluna. O primeiro aluno de cada coluna terá um bambolê em mãos.
Desenvolvimento: Ao sinal, os primeiros alunos, lançarão o bambolê em direção ao aluno “destacado”, tentando lança-lo.
O aluno “destacado” poderá fazer movimentos, desde que não saia do lugar, para facilitar a laçada. Após, o aluno que lançou o bambolê irá ocupar a posição do alvo e o aluno que estava em destaque, levará o bambolê para o segundo da coluna, posicionando-se ao final dela. E assim sucessivamente.
REFLEXÃO:
Que tipo de movimentos vocês realizaram na atividade do ‘Alvo Humano?’
Na hora de acertar o alvo, você andou ou ficou parado? E quando você foi o alvo?
De todos os movimentos, qual foi o mais fácil? E o mais difícil?
No dia a dia que movimentos vocês conseguem realizar sem sair do lugar?
DESTAQUES DA REFLEXÃO:
Existem alguns movimentos que conseguimos realizar mesmo estando em uma posição estacionária (sem sair do lugar).
A esses movimentos damos o nome de movimentos de não locomoção.
REGISTRO:
Alunos: levantar com os alunos, no coletivo, as possibilidades de movimentos que realizamos sem sairmos do lugar (posição estacionária). Relacionar na lousa, cartolina ou em papel manilha, etc.
Professor: auxiliar e orientar os alunos à utilizarem o vocabulário correto, assim com a identificação dos movimentos de não-locomoção.

12-NÃO VOLTE ANTES
Alunos divididos em 4 equipes, perfiladas no meio da quadra de frente para tabela de basquetebol, sendo que o primeiro aluno de cada coluna ficará com uma bola de basquetebol nas mãos.
Ao sinal do professor, os primeiros alunos de cada fileira deverão ir quicando a bola em direção a tabela e arremessar a bola tentando fazer a cesta. Quem conseguir fazer a cesta deverá voltar quicando a bola e entregar ao próximo da fila, o aluno que não conseguir fazer a cesta, deve arremessar quantas vezes forem necessárias até conseguir o seu objetivo. Nessa atividade, os alunos ficam arremessando a bola ao mesmo tempo, isso faz com que eles tenham noção de tempo e espaço.

13 - CHAPEUZINHO VERMELHO
Formação: Crianças em duplas, sentadas uma de frente à outra com as mãos para trás e uma distância de aproximadamente 50 cm entre ambas.
Material: Um objeto entre ambas as crianças (de preferência uma bola feita com folha de jornal)
Dinâmica: O professor deverá dizer às crianças que irá contar uma história qualquer e todas as vezes que no decorrer da fala o aluno ouvir a palavra vermelho este deverá tentar pegar o objeto antes que o outro o faça, ganhando a brincadeira quem conseguir pegar mais vezes.

14- PEGA-PEGA O RABINHO
MATERIAL: tira de pano ou de sacolas
FAZENDO A ATIVIDADE: cada aluno recebe uma tira de pano, jornal ou sacola e encaixa a ponta da tira na parte posterior da roupa(calça, moletom, short), formando um “rabinho”. Ao sinal do professor, inicia-se o pega-pega, cada aluno tentará proteger seu “rabinho” e ao mesmo tempo tentar pegar o “rabinho” do outro colega.
Regras: o aluno sem rabinho não pode pegar o rabinho do outro colega. A atividade se reinicia quando todos os alunos estiverem sem o “rabinho”.
REFLEXÃO: qual a necessidade de uma pessoa se movimentar? Porque você não ficou parado? Há outra situação na nossa vida em que se não nos movimentarmos teremos algum prejuízo.
REGISTRO ALUNO: formar a palavra movimento com recortes de jornal.
REGISTRO PROFESSOR: auxiliar na formação da palavra “movimento”, junto às letras e mediando o processo de alfabetização.

15- PEGA-PEGA NA LINHA
MATERIAL: quadra com linhas demarcatórias das diferentes modalidades. Ou espaço físico demarcado com giz.
FAZENDO A ATIVIDADE: O professor escolhe aleatoriamente um aluno para ser o pegador.(aconselha-se que o pegador tenha uma camiseta ou colete nas mãos para diferencia-lo dos demais) Os alunos e o pegador só poderão andar sobre as linhas da quadra. Ao comando do professor inicia-se o pega-pega. Se o pegador pegar alguém, esse passa a ser o pegador.
VARIAÇÕES: posso modificar a maneira de movimentar-se na linha(correndo, pulando, andando). Ou aumentando aos poucos o número de pegadores.

sábado, 1 de março de 2008

Projeto "Jogos 'Fair Play' Olímpicos"

Caros professores, em ano de Jogos Olímpicos, aumenta a importância e os trabalhos dos profissionais de Educação Física tornando-se mais importante e empolgantes. Várias são as formas de se trabalhar. Longe de querer influenciar os trabalhos dos demais professores, na EE Professor José Benedito Gonçalves na cidade de Salto/Sp (ciclo I), a Olimpíada será trabalhada com os professores e alunos de forma menos ‘Competitiva’ e sim, de forma mais ‘Educativa e Recreativa’. Onde o “Fair Play” (jogo limpo) será levado em conta.

Uma forma de resgatar esse papel educativo da competição é mostrar aos alunos que ambos os lados são imprescindíveis para que exista uma competição e que para que haja um vencedor, é preciso haver um perdedor. Um não existe sem o outro. Em outras palavras, "A vitória não é sinônimo de sucesso e a derrota não é sinônimo de derrota".
SUGESTÃO: antes de falar sobre o projeto "Jogos 'Fair Play' Olímpicos", sugiro que trabalhem com o texto abaixo com os alunos antes dos jogos.


OLIMPÍADAS ESPECIAIS DE SEATTLE-USA

/ESPÍRITOS EVOLUÍDOS
Baseado numa história real Há alguns anos, nas Olimpíadas Especiais de Seattle-USA, nove participantes, todos com deficiência mental alinharam-se para alargada da corrida dos 100 metros rasos. Ao sinal, todos partiram, não exatamente em disparada, mas com vontade de dar o melhor de si, terminar a corrida e ganhar a medalha de ouro.Um dos garotos tropeçou na pista atlética, caiu e começou a chorar. Os outros oito ouviram o choro, diminuíram o passo e olharam para trás. Então viraram e voltaram. Todos eles. Uma das meninas, com Síndrome de Dawn, ajoelhando, deu um beijo no garoto e disse:- Pronto, agora vai sarar! E todos os nove competidores deram os braços e andaram juntos até alinha de chegada. O estádio inteiro levantou e os aplausos duraram vários minutos...Talvez os atletas fossem deficientes mentais... Mas com certeza, não eram deficientes espirituais...Isso porque, lá no fundo, todos nós sabemos que o que importa nesta vida, mais do que ganhar sozinho é ajudar os outros a vencer, mesmo que isso signifique diminuir os nossos passos...Procure ser uma pessoa de valor, em vez de procurar ser uma pessoa de sucesso. O sucesso é conseqüência....
Segundo o professor Nilo João Simões de Castro(2000),Todos nós, professores de Educação Física devemos ser multiplicadores na promoção do “Fair Play”; pois o esporte de competição pode responder a numerosas exigências fisiológicas e sociais do homem. Pode, especialmente, dar a cada um, qualquer que seja a sua idade e condição, possibilidade de expansão e um enriquecimento das relações individuais e coletivas. Pode contribuir igualmente, de diversas e excelentes maneiras, para melhorar a qualidade de vida.
Se aceitarem essa responsabilidade e se atenderem ao nosso premente apelo, o “fair play” e o esporte não apenas estarão salvos, mas talvez poderão propiciar benefícios ao espírito de lealdade que anima o mundo esportivo, e causar verdadeiro impacto a própria vida em geral.
Ainda, segundo o professor Luiz Araçoiaba(2007), durante os jogos ele não realiza competições de futsal, handebol, vôlei e basquete e adapta outros esportes a realidade escolar, como por exemplo natação( é usado um skate, onde o aluno fica deitado sobre o mesmo e tem que 'nadar' até a outra extremidade da quadra) e também a canoagem( o aluno fica sentado no skate e tem que remar, usando um cabo de vassoura), ou seja, ele usou a criatividade, sem contar que todos os alunos pesquisam sobre todos os esportes.
Outros esportes praticados e que deram certo na minha escola durante o 'PAN', foram: 1) Judô adaptado(foto ao lado), Os alunos em duplas e de acordo com o tamanho ficavam sobre um colchão(tatame) ajoelhados com as duas mãos dadas, e ao sinal faziam força até o 'adversário' tirar um dos joelhos do chão, ou deitar ou ainda sair do colchão. No início e final da disputa os alunos devem se cumprimentar, assim como fazem os judocas.)
2) Revezamento - Ao redor da quadra, os alunos fazem revezamento com bastão, devido ao espaço reduzido, serão apenas duas equipes de quatro alunos por vez. Como a equipe que ficar do lado de dentro da quadra leva vantagem, o professor deve medir a posição de saída dos corredores. Outros atividades são arremesso(basquete), embaixadinha, salto em distância, pebolim humano, etc. Outra idéia é dividir os alunos por equipe e não por classe, ou seja, cada classe terá alunos de várias equipes. Outra idéia muito importante, é não usar nomes que indiquem competição, como campeonato Olímpico, torneio Olímpico, ou seja usar um nome que soe bem aos ouvidos e que transmita uma idéia maior de participação, de alegria e de confraternização, como "Festa do esporte". Quando possível é importante levar na escola algum atleta para conversar com os alunos a respeito de esportes, saúde, estudos, etc.(na foto ao lado, a atleta Aline Pelegrino, capitã da seleção brasileira feminina de futebol-campeã do PAN do Rio/2007). Quem tiver outras atividades legais, manda pra mim, e eu as colocarei aqui com os devidos créditos. E-mail: niltonzumba@hotmail.com ou deixe seu comentário no blog - até a próxima.

CONHECENDO UM POUCO MAIS
SOBRE ESPORTES OLÍMPICOS

Com a Grécia dominada pelos Romanos, no século II, os Jogos Olímpicos foram perdendo sua identidade, até serem interrompidos pelo decreto do Imperador Romano Teodósio.
A volta dos Jogos Olímpicos, aconteceu no final do século XIX, por vontade do Barão de Coubertin, que acreditava que os exercícios físicos eram importantes para a formação dos jovens.
Então, em 1896 aconteceu a primeira Olimpíada da Era Moderna, em Atenas, com a participação de 13 países, competindo em nove esportes: atletismo, ciclismo, esgrima, ginástica, levantamento de peso, luta, natação, tênis e tiro.
O famoso símbolo das Olimpíadas, os cinco anéis de cores diferentes entrelaçados, foi introduzido nos Jogos Olímpicos de Antuérpia em 1920. Eles significam a união do mundo, cada anel representa um continente.
As modalidades esportivas são formadas por esportes individuais e coletivos. Nos esportes individuais, o que conta mesmo é o esforço para a superação dos próprios limites. Pois, não há com quem contar na hora decisiva. Nos coletivos, o mais importante é a combinação da técnica individual com o trabalho de equipe. Tudo depende do espírito de cooperação.
SUGESTÃO: converse em sala de aula, sobre a pessoa Barão de Coubertin, e sua influência para o esporte atual.

CURIOSIDADES OLÍMPICAS

1896 – Nas primeiras olimpíadas, as provas de natação eram realizadas em mar aberto com temperatura de apenas 13 graus, ao contrário das Olimpíadas modernas, que utilizam piscinas com tecnologia de ponta para que os atletas obtenham as melhores marcas possíveis.
1904 – O primeiro atleta olímpico a cruzar a linha de chegada da Maratona, foi o americano Fred Lorz. Porém seus momentos de glória duraram pouco, pois, acabou tendo que assumir a seguinte fraude: havia pego carona em um caminhão depois de 15 quilômetros de corrida. Assim, outro americano, Thomas Hicks, que seria o segundo colocado, e que protestou contra Fred Lorz, foi o vencedor premiado.
1924 – O filme Carruagem de Fogo, premiado com o Oscar em 1981, teve sua história baseada na olimpíada de Paris. Que tal o assistirmos, para refletir sobre esta questão?
1960 – Roma, pela primeira vez os Jogos Olímpicos foram transmitidos ao vivo pela televisão para 19 países europeus. O Japão e os Estados Unidos também puderam assistir pela TV, em vídeo-tape.
1980 – Olimpíada de Moscou. Pela primeira vez o Brasil conquistara duas medalhas olímpicas num mesmo dia. A performance se deu no iatismo com duas medalhas de ouro: Marco Soares e Eduardo Penido na classe 470, e Alexandre Welter e Lars Björkström na Tornado.
1984 – Los Angeles. Finalmente as mulheres puderam competir na Maratona. A vitória ficou com a americana Joan Benoit com o tempo de 2:21:43.
2004 – Atenas, Um dos eventos mais esperados foi a Maratona, que aconteceu no percurso original com chegada no Estádio de Mármore, o mesmo que abrigou a Olimpíada de Atenas em 1896.